escritorafátimacoelhosoar.net
Poesias,Contos Românticos e Sonetos."A alma de uma contista".
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
Perfil
Maria de Fatima Coelho,Escritora Poeta,nasceu aos 57 anos,cursou Faculdade de Graduação e título em Licenciatura pela Universidade Estadual de Sobral-Ce,recebeu medalha de honra de melhor contista,reside atualmente na cidade de Jundiaí.Casada,mãe de Heloyna Márcia,Madelynne e Marcos Hallan.Durante 31 anos trabalhou no setor da Educação e Serviços Sociais e da sua cidade. 
Hoje aposentada projeta realizar o sonho de publicar livros.A escritora dedica-se à sua obra e realiza palestras nas escolas ao incentivo a literatura.A escritora conta com 04 livros já publicados .Poesias e Contos O Amor Existe e é Eterno)-01. O mundo encantando das fadas  -2. Fale como as flores-03. Uma abelhinha que sonhava ser rainha.04. Os mais de trinta titulos aguardam ser Publicados. 
.

Sou romântica,amante da leitura e da escrita.
Amo a vida a naturaza e os animais.
***********************************************************
Meu Mantra é o Amor.
Eu sou o amor
O amor me envolve
Vivo em função do amor.

#################################################
Existe uma palavra que não pode ser ruim.
Porque ela me mostra o quanto você è,tão importante para mim.
A distancia.

 
Sou viajante no tempo,
lutando eu traço os caminhos
dos sonhos e da vida coquistada
Me equilibrando na fé,

alimentando as esperanças.
Hoje guardo as saudosas lembranças
dos tempos que eu era uma criança.
De conversar com o meu Pai 
tomando café no alpendre la de casa
Minha mãe todas as tardes
comigo alí sentada, eu com meu pai
na mesa,escrevendo e aprendendo
como escrever as palavras 
Mãe penteando meus cabelos,
fazendo as tranças em meus cabelos,
pretos encaracolados.
Depois que tudo passava eu brincava
de jogar bolinha de gude na calçada.
SER CRIANÇA era ser feliz e não se importar com mais nada.

Era o que eu mais gostava
De escrever e desenhar depois pintar
e num cordão as folhas pendurar
rabiscadas,sobre o vento a balançar.
Todos passar olhar eadmirar e comentar
Do futuro aguardar,de ser escritora so sonhar
por ouvir meu pai falar, eu ia transformar.
A poesia falada que eu mais gostava de recitar,
do meu pai tanto incentivar ia
completando as rimas e minha sorria
se a memória falhar.
As vezes a memória falhava,
para mais perfeita ela ficar.
Os tempos foram passando,
meus rabiscos iam ficando,
meu pai tinha o afinco de guardar
Dizia para não se estragar nem rasgar
para uma dia que podia eu precisar.
Mas na criancisse minha cabeça
com isso não tinha para se preocupr
As vezes há as descrença faz em nada acreditar.
Vez e outa agente começa a por fora as coisas,
só por vontade de estraviar.
Mas a riqueza que temos
no sangue e que nascemos com ela,
é que nunca vai se acabar.
Ser escritor poeta já nascí com
inspiração de os corações despertar.
Sei que herdei de um homem
que veveu e me conheceu
e seus olhos fez a esperança  em mim brotar.
Com os olhos do coração me olhou 
com gratidão,não pude lhe cumprimentar.
Soube,porque meu pai me disse,
que ele,um leitor fanático,amava literatura
a leitura era seu maio rerbento.
Meu avô Raimundo Coelho Rodriguez
mudou-se pro lado de lá,aos 53.
Não tive o prazer de com ele conversar... 

 
Escritorafátimacoelhosoar.net