escritorafátimacoelhosoar.net
Poesias,Contos Românticos e Sonetos."A alma de uma contista".
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
Textos

Romance mais flores
Amanheceu... graças a Deus uma noite nunca é eterna... Principalmente no inverno, né!!!
Frio... São Paulo... Insonia daquelas... rsrsrs...
Será o frio, será saudades de quem não faz mais parte desse nosso plano dimensional, será porque estou sensível demais... Ou será apenas a nítida percepção de que a vida não para diante de nossas dores e delicias, pois é... somos seres mutantes... e as transformações assustam... romper casulos é doloroso...
Faz frio, claro, nada comparado ao frio que se enfrenta na Europa...
Pela janela do quarto ouço a voz da noite, olho para a praça no centro de São Paulo, observo o mercado de flores - fica aberto 24 horas, recordo a janela de outro quarto, uma vida faz... enfim, outra história... Rio sozinha, pensando no destino das flores.
Algumas flores nascem para enfeitar festas, mesas, mãos de noivas, chegadas, confraternizações, paixões, enfim, momentos de alegria. Outras, nascem para serem testemunhas de despedidas e de adeus aos nossos queridos... elas, as flores, nascem ignorando completamente seus destinos, tal qual acontece com os seres humanos...
A noite, seja em qualquer lugar do mundo, tem uma voz única...
Vejo pessoas entrarem no mercado das flores e logo depois sairem apressadamente, carregando buquês de flores, olhando desconfiados para os lados, enquanto gentes da noite, mendigos misturados a vultos perdidos, transitam na solidão de seus universos pessoais... Faz frio... reflito com meus botões: faz frio em muitos corações.
De repente, uma cena chama minha atenção, uma jovem desce de uma pequena caminhonete, pega uma coberta de dentro de uma das tantas sacolas de plástico que vejo dispostas na carroceria aberta do veículo, outra jovem se aproxima com uma caixa de papelão, mas de onde estou, a altura não permite que consiga identificar o que tem dentro da caixa de papelão, parece pão ou maças, não sei, mas é algo de comer. Enxergo um copo na mão de uma das moças, sai fumaça do copo, deve ser leite, chá ou café...
As moças dão alguns passos e se aproximam de alguém que está deitado no chão numa das esquinas da praça, vejo um corpo que emerge de retalhos de papelão e trapos vários, vislumbro cabelos brancos... Trata-e de uma mulher, ela se senta e mesmo distante vejo o quanto é magra.
Meu coração fica apertado e sinto a pele do meu corpo inteirinho se arrepiar, a emoção é tanta que, surpresa, vejo brotar mais um lágrima nos meus olhos, achei que já tinha chorado todas elas durante a noite, estava enganada. Me visto correndo, fecho o zíper do velho jeans enquanto coloco o tênis, coloco o casaco em cima da blusa do pijama, desejo ver aquilo de perto. Olho novamente para a janela e percebo que o carro se foi... bem como, a senhora magra de cabelos muito brancos. Me jogo no sofá e enxergo um broto de esperança, não está tudo perdido, ainda existe amor no mundo...
Lembrei que no Brasil hoje comemora-se o dia dos namorados... Volto a janela e vejo como está movimentado o mercado das flores...
Bom dia!!! Hoje será SIM um lindo dia!!! Gratidão!!!
escritorafatimacoelhosoar
Enviado por escritorafatimacoelhosoar em 25/05/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários