escritorafátimacoelhosoar.net
Poesias,Contos Românticos e Sonetos."A alma de uma contista".
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
TextosTextos
ÁudiosÁudios
E-booksE-books
FotosFotos
PerfilPerfil
Livros à VendaLivros à Venda
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
Textos

Romance
Hoje a noite será longa.
Enquanto todos dormem, eu estou aqui acordada escrevendo fazendo dos meus pensamentos inspirações e rabiscando este diário de histórias da vida.
Torno esta noite em mil pensamentos que cada vez mais me domina e não dar conta de se ampliar.E o pensamento vai voando para outras lembranças da infância dos irmão amigos dos irmãos e do Max.
O Max era um amigo que me deu muitas alegrias.
Ele não tinha pai, e a mãe dele não apoiava ela por incentivo do seu padastro o homem com quem ela vivia.Muitas vezes meu pai chamava Max para morar lá em casa.
A mãe de max passou a não deixar que o menino viesse mais na nossa casa e passava a maltrata lo com o o seu padastro.
chorando disse que não queria mais morar na casa de sua mãe.
A noite chegou e Max lá ficou sentado e falando que ninguém o levaria dali para nenhum lugar.Nesta noite a Mãe de Max veio até nossa casa e conversou com meu Pai e voltou para casa
O menino dormiu em casa dos meus pais. Talvez pela dor de ser maltratado e depois de uns dias Max fugiu numa madrugada sem ninguém ver.
Todos nós demos muito carinho e atenção ,mas algo acontecia com Max.E ele se foi Nunca mais vi o menino que tanto brincou e fez palhaçadas engraçadas.
Mas não é somente isso que lembro.
Outros episódios aconteceram.Como no dia que uma amiguinha da escola.
Aline era uma garotinha de 9 anos ela gostava de sair da escola sozinha e enfrentar o caminho de volta para casa.
Alguns alunos ficava brincando outros iam para os bebedouros beber agua, e outros ficavam conversando com a professora.
Alinne queria chegar em casa logo para tomar banho e almoçar e ciudar nas atividades do outro dia.
Mas a menininha que caminhava na travessia não sabia que por ali havia muitos animais que vinham da serra paraa baixada que ficava proximo ao corredor.
Por ali só seria permitido que passasse criança acompanhadas por adultos pois era perigoso que uma onça pintada tivesse descansando debaixo das arvores pelo horário do meio dia.
E lá vinha a menina Alin Sozinha,quando se aproximava da baixa do jucá Quando viu um gemido estranho.Arrepiada ela parou e escutou para ver o que havia de errado pelo caminho onde ia passar.
E viu uma grande coisa em sua frente.
Ela disse que quando viu a onça pintada lembrou de uma historias que a professora havia contado na sala de aula de uma onça boazinha que todos riram.E começou ri para onça.
A onça veio devagarinho e Alin esperou pensando que a onça queria brincar com ela.E se deitou no mato devagarinho e a onça chegou perto e começou lamber os braços de Alin.
Enquanto isso ela sorria.A onça por sua vez.Não atacou e não maltratou Alin e saiu para o mato a dentro.Aline disse que passou a mão nas mão da onça enquanto ela lambia o seu corpinho fazendo corsega.
E depois levantou e foi correndo para casa contar aos seus pais.
No outro dia na escola todos queriam ouvir a história de Alinn e fazer muitas perguntas.
Alguns não queriam acreditar que algo tivesse acontecido ea pequena Alinn fez todos acreditar na sua história verdadeira.
Alinn não perdeu nenhum detalhe da história. Depois todos descreram a historia atraves de desenhos e todos ajudarm a pequena escrever um livro de sua propia historia vivida
"A volta de Alinn e a onça carinhosa"


escritorafatimacoelhosoar
Enviado por escritorafatimacoelhosoar em 06/06/2017
Copyright © 2017. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários